Vila do Ipê entrega sistema viário que preserva a Mata Santa Teresa

A Vila do Ipê Empreendimentos foi a responsável pela implantação do sistema viário alternativo que permitiu a interdição definitiva da estrada municipal Eugênio Do Val, a mesma que atravessa a Estação Ecológica Santa Teresa, maior remanescente de Mata Atlântica da cidade. Com isso, o tráfego no local foi bloqueado pela Prefeitura no último dia 22/12/12. 


Investimento – Ao todo, a Vila do Ipê investiu R$ 4 milhões na obra que é resultado de um acordo firmado em agosto de 2010 entre Prefeitura, Ministério Público Estadual e a própria empresa, e que resultou na abertura de 3km de estrada a partir da avenida Luiz Eduardo Toledo Prado até a antiga estrada que liga Ribeirão à Guatapará, sendo que 1,5km já estão pavimentados.



“Além da pavimentação do trecho, também implantamos guias e sarjetas, toda a infraestrutura de galerias de águas pluviais e energia elétrica, construímos quatro pontes, e implantamos corredores de fauna para que os animais nativos possam transitar entre as matas e ter fácil acesso aos córregos e mananciais”, explica o arquiteto Silvio Contart, diretor de projetos da Vila do Ipê.


Ainda segundo Contart, o novo sistema viário desvia o tráfego da Reserva Ecológica Santa Teresa fazendo com que o motorista passe por dentro da Vila do Golfe. “O acesso principal passou a ser a Av. Angêlo Genaro Gallo (continuação da Av. Braz Olaia Acosta). Dali o motorista pode entrar na Av. Luiz Eduardo Toledo Prado (a principal da Vila do Golfe) e, por meio dela, alcançar o trecho recém implantado, retornando à estrada municipal já fora da mata preservada. Cumprimos nosso compromisso exatamente dentro do prazo firmado no acordo”, diz. A Transerp implantou sinalização vertical ao longo do novo trecho.



Incentivo à pesquisa – Por ser uma Estação Ecológica, a Mata Santa Teresa, que fica na zona sul de Ribeirão Preto, é um espaço destinado a pesquisas científicas. Remanescentes de vegetação nativa contíguas à mata foram preservados como reservas florestais, nas quais a Vila do Ipê apoia há mais de 10 anos os estudos desenvolvidos pelos alunos do curso de Biologia da USP/RP sobre o manejo das Lianas, espécie de cipó muito recorrente na mata nativa. 


“A Estação Ecológica possui mais de uma centena de espécies de árvores, algumas delas centenárias e é responsável por mais de 10% da área verde atual de Ribeirão Preto. A mata colabora para que a região da Vila do Golfe tenha um microclima mais ameno, melhorando a qualidade de vida de quem mora no empreendimento”, conclui Silvio Contart.